Confesso que nunca gostei muito do dia dos namorados. Sempre me fez alguma confusão o porquê de existir um dia especifico para mostrar o quanto queremos alguém se o podemos fazer todos os dias. Por isso e para mim não passa de mais um dia de apelo ao consumismo.
Não tenho nada contra a quem comemore e vá passear ou jantar com a sua/seu  mais que tudo e é o dia que se vê mais meninas com uma flor na mão, pergunto-me se será assim o resto do ano…
Mas mentiria se dissesse que não bateu uma pequena (pequenina) tristeza por estar sozinho e dar comigo a pensar que bom que é acordar todos os dias e sentir que é dia dos namorados de sentir a cama quente, quente do corpo de outra pessoa, quente do amor de outra pessoa. Das primeiras palavras proferidas do dia serem para essa pessoa e sempre entrelaçadas num “Amo-te”. Passar o dia na correria do trabalho mas feliz porque á noite somos nós e só nós gozar cada momento, vive-lo intensamente e saboreá-lo como ninguém. Chegar ao fim da noite exaustos mas felizes e amarmo-nos com a adrenalina que só o nosso amor pode criar. Exaustos mas felizes pois amanhã sabemos que tudo o que vivemos hoje iremos viver com mais cumplicidade mais paixão, como se fosse esse o nosso ultimo momento a dois e tirar-lhe todo o suco para não deixarmos nem que seja um minuto de amor para trás. Ver que o mundo pára quando estamos os dois os dias, as horas, o tempo tudo pára em nosso redor só a nossa paixão se movimenta entre os nosso lençóis tudo o resto deixou de existir.
No fundo considero-me um homem afortunado pois já vivi um grande….grande Amor e talvez ainda venha a viver outro, outros. Muita gente passa por esta vida sem o sentir verdadeiramente e sem saber a dadiva que é viver um grande Amor.
E assim vivo e sinto que todos os dias devem ser dias de apaixonados sem presentes muitas vezes ridículos mas de gestos…..de palavras…..de Amor.